RADIO BRISA, UMA ANTIGA HERANÇA DE FAMÍLIA

03 de dezembro, 2002 – Publicado às 16h59 GMT
Morador da Rocinha tem seu próprio jornal, rádio e TV
enock300

Enock Guilherme, proprietário da Rádio Brisa

Rafael Gomez, do Rio de Janeiro – BBC Brasil

Nas ruas da Rocinha, é possível ouvir o som dos alto-falantes logo ao descer da lotação, ao lado dos camelôs à beira da auto-estrada Lagoa-Barra.

Ouvem-se propagandas de lojas da Rocinha, forró, a música romântica de Charlys – o artista mais conhecido da favela – e um chiado que ecoa na barulheira das ruelas.

Do Largo do Boiadeiro, com suas barracas vendendo legumes, verduras e produtos nordestinos, segue-se rapidamente para uma das vias mais conhecidas da Rocinha, a Estrada da Gávea. É onde vive Enock Meira Guilherme.

Guilherme é o proprietário e a voz da Rádio Brisa, a “rádio de caixinhas”, como ele a chama. “São 60 caixinhas de som, distribuídas de forma estratégica em toda a comunidade. Isso leva qualquer notícia e prestação de serviço muito mais rápido à comunidade.”

Violência

Dentro da rádio, uma sala reúne o microfone e a mesa de som de Guilherme, uma coleção de CDs e o computador, com o qual ele relaxa entre uma música e outra com jogos.

“Quando se perde uma criança ou um documento, a rádio ajuda de forma imediata”, explica ele, pedindo licença para fazer uma intervenção no ar.

“Também ajudo em campanhas de esclarecimento, como a campanha contra a fome ou a da dengue.”

A Rádio Brisa é uma das três instaladas na Rocinha. As outras duas são a Rocinha e a Katana, que, ao contrário da Brisa, têm transmissores e uma freqüencia registrada no dial, onde operam em FM.

DIREITO À INFORMAÇÃO NA ROCINHA
• Três rádios (duas FM)

• Uma TV

• Dois Jornais

• Canal de TV Comunitário

• Rede de TV a Cabo

• 97% das casas têm TV

• Mais de 5.500 pessoas têm telefone celular

• Cerca de 2.000 telefones fixos

Evandro Rodrigues é locutor da Rádio Katana. Ele diz que ela não foge do seu compromisso de informar as pessoas quando há episódios de violência na comunidade, como tiroteios. Isso apesar da lei do silêncio imposta por traficantes do morro.

“Num outro dia tivemos um tiroteio lá embaixo, na entrada da Rocinha”, diz ele.

“Eu estava no ar e informei para o pessoal evitar a área. Mas é raro os moradores ligarem para cá para falar sobre algo do tipo que esteja acontecendo na vizinhança deles. Eles temem que o telefone esteja grampeado.”

Jornal e internet

A ONG Viva Rio mantém uma rádio, a Rádio Viva Rio FM, que tem uma preocupação especial em atender as pessoas das favelas cariocas. Eles contrataram um correspondente na Rocinha, Eduardo Casaes.

Semanalmente, o jornalista participa dos programas da emissora contando as novidades no bairro.

Casaes também tem outras atividades: trabalha em uma ONG com trabalhos socio-ambientais na favela, a Rocinha XXI, e edita um dos dois jornais da comunidade, o Rocinha Notícias, com tiragem de 5 mil exemplares por mês.

“Tentamos falar de assuntos mais sérios, como a questão da falta do saneamento, mas também de coisas mais leves. Eu mesmo faço uma espécie de coluna social”, conta.

Casaes revela que, desde que o jornal começou, em janeiro de 2001, ele nunca deu lucro. “Ele é gratuito e, com os anúncios que vendemos, conseguimos nos manter. Mas não ganhar dinheiro.”

vivafavela150

A redação do portal Viva Favela, no bairro da Glória

O jornalista também trabalha como correspondente do portal de internet Viva Favela, criado pela ONG Viva Rio para atender as comunidades carentes do Rio.

A coordenadora do site, Cristiane Ramalho, diz que um dos planos do Viva Favela é abrigar um novo site para ajudar os moradores das favelas a ter mais acesso à cidadania. “Por exemplo: uma pessoa quer se separar. Como ela pode fazer isso? Podemos explicar.”

Para ela, é complicado falar de direitos humanos a um público de comunidades carentes. “Você sempre encontra uma certa resistência, em especial devido ao ceticismo – essas são pessoas acostumadas a não ter acesso ao mínimo.”

TV

A Rocinha também tem sua própria operadora de TV a Cabo, a TV Roc, que dá a base técnica do canal comunitário da favela, também chamado de TV Roc (canal 30).

“Os programas comunitários são feitos por estagiários, e o pouco gasto que temos (com fitas, por exemplo) são cobertos com o que recebemos das assinaturas de TV a cabo”, disse o diretor da TV Roc, Dante Quinterno.

A TV Comunitária apresenta programas semanais com perfil jornalístico e de variedades, alguns produzidos por pessoas da própria Rocinha.

Quinterno acredita que o mercado das classes mais pobres ainda seja pouco explorado no Brasil e que a Rocinha seja um bom exemplo.

“Antes de nós, ninguém havia explorado esse mercado na comunidade.”

dante150

Quinterno, da TV Roc: “Temos um objetivo de cidadania”

“Temos um objetivo de cidadania com nosso trabalho na Rocinha. Queremos dar a essas pessoas o mesmo acesso à informação que as pessoas de bairros mais ricos têm”, explicou.

Atualmente, a operadora TV Roc, com 32 canais, têm 30 mil assinantes. Mas a rede de distribuição da operadora está tão bem distribuída na comunidade que hoje Quinterno acredita que todas as residências da comunidade possam ter acesso à TV a cabo.

O valor cobrado pelas assinaturas também é menor do que em outros bairros – R$ 32 mensais, contra R$ 70 cobrados por operadoras em bairros vizinhos, mais abastados.

Tags: , , , , , ,

6 comentários para “RADIO BRISA, UMA ANTIGA HERANÇA DE FAMÍLIA”

  1. MARQUINHO POETA disse:

    Assunto: AJUDE DIVULGAR A LETRA DO SAMBA

    Sou cantor a compositor de Petrópolis RJ- e estou cantando meu samba da lei 11340/06 nas rádios e TVs da cidade.Recentemente fui homenageado na câmara municipal pela letra do meu samba e pelo belo trabalho que venho realizando no meu município em defesa das mulheres vitimas de violência doméstica.
    Meu objetivo e chegar em Brasília e cantar meu samba.
    Através da nossa música estamos simultaneamente, combatendo a agressão doméstica, e mudando o comportamento dos agressores.
    Música também é cultura.
    LETRA : Agora é Lei
    Autor: Marquinho poeta
    Grupo: voz do morro

    Bater em mulher agora esta dando cadeia
    E que o congresso aprovou a lei Maria da
    Penha ……………………….refrão
    Esta lei 11340 veio para ficar protege as
    Mulheradas da agressão dentro do lar
    Tem homem que enche a cara chega
    Em casa planta o terror só que a lei é
    Severa e vai punir todo infrator …….
    Bater em mulher…………………..refrão
    Antigamente o infrator assinava um
    129 tirava uma fotografia pagava fiança
    E era liberado agora se liga malandro
    Que a moleza acabou o juiz ta batendo
    O martelo e mandando para cela todo
    Agressor

  2. mac disse:

    Nós vamos morar na “Cidade Maravilhosa”, um lugar magnífico, de uma beleza impar, que não pode ser encontrada em nenhum outro lugar do planeta. Uma cidade rica e prospera, onde vamos ganhar muito dinheiro para aproveitar todo esse potencial turístico do Rio de Janeiro.

    O único problema, ou os únicos problemas, com muita certeza é o tráfico de drogas, com bandidos organizados e fortemente armados. Em parte financiado por nossos amigos brasileiros que compram produtos do Paraguai, praticando contrabando e dando suporte financeiro aos bandidos cariocas, que dão fim a centenas de vidas por mês, entre elas inocentes trabalhadores.

    Aqui vamos aprender a desviar de balas perdidas, que quase sempre encontram qualquer parte do corpo de um indefeso, em especial a cabeça. Na maioria dos morros a imprensa não entra e inúmeros assassinatos passam despercebidos, talvez até seja para não mancha de sangue a cidade que recebe milhares de turistas.

    Sair para trabalhar e correr o risco de não voltar pra casa no fim do dia faz parte da rotina. Quase sempre, já cansados da luta diária, somos recebidos pelo fogo cruzado entre o crime organizado e a polícia, desorganizada, que ganham mal e por isso se vendem para o tráfico, para sustentar ou proteger suas famílias.

    Levar nossos filhos aos hospitais também á tarefa árdua, as filas são enormes, demora-se meses por um simples exame de sangue. Para conseguir um medico, numa consulta que não passa de cinco minutos é preciso levantar as 3 da madrugada.

    Temos que andar entre drogados que matam por R$ 5, e que são beneficiados pela lei do usuário, com a intenção de comprar uma pedra de crack ou um ou dois gramas de cocaína. Nossos descendentes estão sujeitos a sedução da vida fácil, oferecida pelas drogas. O poder público não investe em educação e esporte, dois meios que poderiam evitar mais adeptos da criminalidade.

    O Rio de Janeiro é a “Cidade Maravilhosa”, mas os pobres que aqui vivem sofrem com a violência urbana sem controle. Socorro Brasil, aqui também tem gente honesta que precisa de ajuda.

  3. Enock disse:

    Eu sou o Enock, da foto acima e não tenho nenhuma ligação com o Elias que infelizmente é meu irmão e que me roubou a rádio, para seus interesses e tentar enganar o povo da Rocinha, já que quando saí por livre e expontânea pressão,deixei 70 caixinhas funcionando na comunidade e a rádio sempre estava aberta a todos que precisavam dela, o que hoje não acontece. Inclusive as pessoas que faziam parte do quadro de colaboradores da rádio tinham seus salários e não trabalhavam de graça como é o caso com o indivíduo em questão.
    Favor não colocar meu nome e o dele no mesmo texto ou frase. Grato!

  4. ALEX SILVA disse:

    RADIO BRISA SOU DE RECIFE -PE GOSTARIA DE SABER PARA Q ENDEREÇO DEVO ENVIAR UNS CDS PROMOCIONAIS PRA A SUA RADIO

  5. claudio junior disse:

    Respeitosamente;Santos,Claudio

    Francisco Bejamin de Araujo, está desaparecido de seus familiares da PARAIBA, o mesmo é dono de terras na cidade de São José Dos Ramos-PB.
    Estou à procura do mesmo, ele mora na Rocinha-RJ. Já faz alguns anos que Francisco não entra em contato conosco.
    Peço por favor que me ajude à encontrar FRANCISCO BEJAMIN DE ARAUJO, Filho de PEDRO BEJAMIN DE ARAUJO E AUGUSTA TAVAREZ DE OLIVEIRA.
    Se possivél fazer o apelo pela RÁDIO, seria uma maneira rápida, fácil e solidária de encontrá-lo.

    AGUARDO SUA RESPOSTA (ME AJUDE POR FAVOR).

    Atenciosamente:Rocinha.org

  6. procuro Ademario Silva Assis filho de Edivaldo Perreira Assis que mora na roçinha gostaria que ele entrasse em contato com migo tem 20 anos que eu não tenho noticias dele ou a tia deles para mandar noticias o nome dela e Rita Peirera de Assis o meu numero (73) 8806-0628 meu nome é AGNOLIA SILVA OLIVERA ASSIS e morro na rua Espirito Santo N° 744 California-Itabuna-BH Ademario se você estiver ouvindo essa mensagem entre em contato com migo estou com Saldades abrasso e beijos de sua mãe se augem que conhesser ele pessa a ele que entre em contato com migo o pai dele trabalhava no neblon de Jardinero

Deixe um comentário