Canal Comunitário
Sexta, 20 de Outubro de 2017
Ouvir Radio
busca
Buscar
Enviar este texto para um amigo          Imprimir este texto            Confira mais notícias relacionadas                         Mude o tamanho do texto Fonte 12 Fonte 14 Fonte 16
Bracelete vai nos dar um pouco mais de tranquilidade
Julita Lemgruber: A favor do controle eletrônico de presos. 'O custo médio do preso no Brasil é de R$ 1.500,00 e os níveis de reincidência entre 70 e 80%'
Bracelete vai nos dar um pouco mais de tranquilidade

Julita Lemgruber, discursando na Comissão de Drogas e Narcóticos das Nações Unidas (ou Commission on Narcotic Drugs - CND) em 2009. Foto: Ângelo Cuissi/Fazendo Media

Rio - O Brasil tem, hoje, meio milhão de presos e 670 mil homens e mulheres cumprindo penas ou medidas alternativas. Ou seja, mais de um milhão de pessoas sob controle do sistema de justiça criminal. O número aumenta 7% ao ano, e 44% das pessoas encarceradas estão presas provisoriamente.

O número cresce sem parar, entre outras razões porque a Lei 9.714/98, que pretendia inaugurar nova era na justiça criminal, aumentando as possibilidades de aplicação de penas alternativas, não surtiu o efeito desejado. A legislação de 1998 apenas provocou o que os americanos chamam de net widening: aumentou-se a rede de controle social — de 1998 até agora o número de penas alternativas aumentou 745% — e a quantidade de presos continuou a crescer, intocada.

Em relação aos presos provisórios, a situação é vergonhosa. Como constatou o mutirão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), um em cada cinco presos provisórios no País está preso ilegalmente.

E, o que é pior: entre os já condenados e entre os presos provisórios há milhares de homens e mulheres que praticaram ou estão sendo acusados da prática de crimes sem qualquer violência e sem grande significado. 

Douglas Hurd, ministro da Justiça inglês nos anos 1980, dizia que a prisão é uma maneira cara de tornar as pessoas piores. Nada mais sábio. O custo médio do preso no Brasil é de R$ 1.500,00 e os níveis de reincidência entre 70 e 80%. Se tudo isso é verdade, reservemos a pena de prisão para quem é realmente violento e perigoso e se constitui ameaça ao convívio social. Os outros — se condenados — deveriam cumprir pena alternativa ou — , se acusados, aguardar o julgamento em liberdade. Sem, nem mesmo, a necessidade de braceletes eletrônicos.

Mas, se o bracelete vai permitir que nós, que estamos fora dos muros, durmamos mais tranquilos, que se adote o bracelete (eu prefiro a tornozeleira).



Fonte: Julita Lemgruber, socióloga e ex-diretora do Desipe
Enviar este texto para um amigo          Imprimir este texto            Confira mais notícias relacionadas                        
Faça seus comentários a respeito deste texto
Dê sua opinião
Não há Comentários publicados.

O mais autêntico Blog da Rocinha. Matérias dos tempos antigos e posts do primeiro site www.rocinha.org estão na área de Blog

© Copyright 2007-2015  ® Todos os direitos reservados